Olá, amigos!

A Rede Omnes Angeli foi criada para ajudar a causa animal, com divulgação clara, incisiva e responsável de artigos com relevância para os amantes de animais.

Essa rede é formada por um conjunto de mídias, como esse blog, Twitter, Facebook, Youtube e dois endereços de e-mail para as futuras interações com vocês.

Nosso objetivo é divulgar campanhas de auxílio a essa causa, como programas públicos (ou com parcerias) de castração e vacinação, artigos sobre saúde e bem-estar dos bichinhos, etc.

Não possuímos abrigo, nem fazemos resgates de animais.

Sua participação será muito bem vinda!

Claudia Pinelli® e Blog Omnes Angeli®

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Exposição à fofura faz bem!



Fala a verdade: você bateu o olho no gatinho aí em cima e ensaiou um “oooooun”, né?

Talvez não tenha contido um sorrisinho.

Se bobear, até chamou alguém para ver também.

Normal, imagens desse tipo, que transbordam fofura, estimulam a sensibilidade de quase todo mundo.

Daí psicólogos da Universidade da Virginia (EUA) resolveram testar se essa emoção causada pela “exposição à fofura” tem algum efeito sobre o nosso comportamento.

E tem sim. Em dois experimentos (com participantes de ambos os sexos, para ninguém dizer que é “coisa de mulherzinha”), voluntários que viram fotos de cães e gatos filhotes (que são naturalmente fofos) tiveram um desempenho bem melhor no jogo Operação (aquele em que você vai removendo órgãos do boneco com uma pinça, sabe?) do que os que viram fotos de bichos já crescidos.

Os pesquisadores dizem que a exposição à fofura nos faz agir, inconscientemente, com mais “cuidado” e “gentileza”, o que, além de melhorar a coordenação motora, resulta num trabalho mais bem feito.

Pode contar para o seu chefe!


Leia o estudo aqui


Fonte: Revista Superinteressante



Que alívio... Agora posso ver as fotinhas à vontade.

Bjo,


Claudia Pinelli.

Não compre! Adote!



Afinal, ninguém compra um amigo, não é?

Bjo,


Claudia Pinelli.




Obs.:

Este vídeo aborda o tema da adoção de animais.

O vídeo é um anúncio narrativo criado pelo aluno do curso de Publicidade e Propaganda, Luan Zanetti, sob orientação da professora Claudia Campos, da Universidade Metodista de Piracicaba (SP).

Créditos: Luan Zanetti, email kyu_ok@live.com


Fonte ANIMAIS.O.S.




Música: Ingrid Michaelson - Everybody

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Emergência!




A Marinalva está precisando, com urgência, de cobertores para seus 140 peludinhos!!

Ela mora na Rua da Tubulação, número 71 - Itaquaquecetuba

Seu telefone é o 11 4753-4663 ou 6667-2876

E o email: marinalvaprotetora@gmail.com




Se puder ajudar essa protetora com cobertores, paninhos usados, qualquer coisa que possa esquentar os peludinhos, entre em contato com ela!

E se não puder, por favor, divulgue!




Muito obrigada,


Claudia Pinelli.

Bob, o peixinho carente...

Esse é o Bob, um peixinho que pensa que é um cachorrinho, ou um gatinho.

Ele gosta mesmo é de um carinho e de um dengo!

E nem se importa em ficar uns segundos fora d'água, se for para receber um afago...

Olha só que fofinho é o Bob!

Um beijo,

Claudia Pinelli.

domingo, 27 de junho de 2010

Acorrenta e quer amor em retorno?

Vejam esse vídeo:



Queria o quê? Um beijinho?

Enquanto o homem achar que pode prender os animais, fazendo deles brinquedos, diversão ou força de trabalho, ao seu bel prazer, fatos como esse, continuarão a acontecer, ad aeternum.



"Man created cruelty. Animals do not torture each other, but we do. We are the only cruel beings on this planet." José Saramago





Um bjo,




Claudia Pinelli.

sábado, 26 de junho de 2010

Leishmaniose: não mate seu cão!






Leishmaniose é uma doença. É grave? Sim. Mas podemos tratar dos nossos cães em casa. Basta seguirmos o procedimento correto.

No Brasil, isso não é permitido por lei. Aqui, o procedimento "adequado" é a eutanásia. Assim que é feito o diagnóstico, o animal deve ser levado a uma clínica para ser morto.

Em nenhum outro país do mundo, a eutanásia é considerada a solução. Só no nosso Brasil Varonil cansado de guerra.

E não é mesmo! Deve-se controlar a reprodução do mosquito. Isso sim é a verdadeira solução.

Sempre faça uma contraprova do exame, pois é muito comum dar o falso positivo.

E para que essa contraprova seja obrigatória em CCZs (locais em que vem ocorrendo uma matança generalizada em nome da tal doença), por exemplo, devemos assinar essa petição:


http://www.petitiononline.com/mod_perl/petition-sign.cgi?pl510

Não vamos abandonar quem nunca nos abandona.



Obrigada,


Claudia Pinelli.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Justiça!

Lembram deste imbecil?

O nome dele é Jaime Ferrero.

Ele foi acusado pelo crime formalmente. Isso aconteceu em 2008 e gerou muita revolta no mundo todo!




E ainda foi expulso do partido do qual fazia parte e pelo qual iria se candidatar a Prefeito na cidade de Talavera, Espanha.




Enfim, a Justiça foi feita, pelo menos em parte, claro, pois a vida dos gatinhos não retornará!!


E que os homens parem de maltratar animais!



Claudia Pinelli.

Dicas que salvam vidas: Cyperpour-on e Antídoto contra envenamento!



Dica 1 - Coleira Scalibor x Cyperpour-on


Recomendações do Prof. André Luis Soares da Fonseca, MSc.
Imunologia/DPA/CCBS tel (67)3345-7388
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS:


Para quem não tem dinheiro ou não quer comprar a coleira Scalibor (contra o mosquito da Leishmaniose), recomendamos um outro produto que pode ser utilizado com os mesmos resultados.

O produto que substitui a coleira se chama Cyperpour-on e 1 litro custa 10 reais.

É um piretróide (cipermetrina) da mesma família do princípio ativo da coleira (deltametrina), oleoso, e que permanece no pêlo dos animais por mais
de 1 mês. Repele e mata mosquitos, carrapatos, sarnas, piolhos e pulgas (é um inseticida).

Aplica-se da seguinte forma:

Para cães até 10 kilos = 1 ml
de 10 a 20 kilos = 2 ml
20 a 30 = 3 ml
30 a 40 = 4 ml

Aplica-se sobre o pelo (como se fosse um gel), sendo que parte é aplicado na ponta das orelhas e focinho (local onde o mosquito pica) e o restante na
nuca e sobre as cadeiras do cachorro.

Possui toxicidade como o princípio ativo da coleira contra Leihsmaniose e não deve ser aplicado sob o sol.

Deve-se aplicar pelo menos 1 vez por mês ou depois de cada banho. Para um cão de até 10 quilos, o produto renderá para 83 anos.

Outras importantes informações:

O produto não precisa de receita, compra-se em casas veterinárias de animais de grande porte.

Qualquer marca de produto com cipermetrina pode ser usado (Cyperpour-on, Controlle etc).

Não existem testes em gatos, portanto, não há recomendação expressa.

O princípio ativo (cipermetrina) assim como aquele da coleira (deltametrina) é usado rotineiramente em Israel como inseticida de controle peridomiciliar e intradomiciliar.

O efeito peridomiciliar não é bom, mas o intradomiciliar sim.

Alerte-se que é piretróide (toxicidade moderada) e o produto deve ser aplicado sobre o PELO e não sobre a PELE. Pode ocorrer a aplicação na pele, mas sobre o pelo a toxicidade é sempre muito menor.

Tem-se demonstrado que o efeito, tanto da coleira como dos pour-on, são melhores após 2 semanas de aplicação, estendendo-se, em alguns casos por mais de 4 meses. Mas recomendamos aplicações mensais pelo menos, ou após os banhos.

Outros vários piretróides estão sendo pesquisados e utilizados, dentre eles a permetrina (Pulvex).


Atente apenas que o produto tem que ser na fórmula oleosa que pode ser aplicada em cachorros.

Obs.: A Scalibor dura cinco meses e custa cerca de R$50,00. Um litro de Cyperpour-on custa 10 reais. Em um cão de até 10 kg, esse litro de Cyperpour-on durará 83 anos.

Informações completas sobre o Cyperpour-on contra a Leishmaniose:






Dica 2 - Antídoto contra envenamento


Quando houver suspeita, dar água morna salgada ou água oxigenada 10 volumes (uma colher de sopa) para fazer vomitar.

Em seguida, dar ATROVERAN (1 gota para cada quilo do animal de 6 em 6 horas), que é o melhor antídoto para venenos do tipo 1080 e chumbinho.





Fontes:

Tribuna Animal

Tweets de: Estimação @estimacao e Letícia Murta - @letíciamurta

e

Guia prático sobre Leishmaniose



Vamos divulgar essas dicas. Elas podem salvar vidas!



Obrigada,


Claudia Pinelli.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Primeiros Socorros em cães e gatos



Cães e Gatos

PRIMEIROS SOCORROS

Emergência? Aconteceu algo grave e urgente? O que eu posso fazer?

Vamos lá! Algumas situações críticas podem acontecer com nossos amigos animais.

Quanto mais rápido forem socorridos, melhor, mas às vezes acontecem situações no meio da noite, aos domingos e feriados, e a clínica veterinária que conhecemos pode estar fechada. Não devemos desistir e enquanto algum familiar telefona para conseguir um endereço de um hospital 24 horas, ou vai tirando o carro da garagem, podemos iniciar os Primeiros Socorros.

Cada caso é um caso, então vamos separar por problema:

Convulsões: animais, do mesmo modo que as pessoas, podem ser epiléticos ou ter convulsão motivada por alguma doença. Diferente das pessoas, você não precisa se preocupar em não deixar enrolar a língua, pois isso não acontece, e se acontecer, não sufoca. Concentre-se mais em evitar escoriações. Coloque o animal em cima de um tapete ou colchão e faça carinho nele. Convulsões epiléticas duram alguns minutos e passam, mas podem ser freqüentes. Se for a primeira vez, vá ao seu veterinário de confiança. Se seu animal já estiver em tratamento, siga as orientações médicas.

Choques elétricos e desmaios: massageie o tórax. Se a respiração estiver muito fraca, abra boca e vá dando umas puxadas na língua. Faça isso dentro do carro, a caminho da clínica. Não perca tempo!

Picada de insetos: pálpebras, focinho e boca inchados. Pode ter marimbondo ou formiga em seu quintal. Precisa tomar injeção de antialérgico urgente. Já para a clínica!

Queimaduras: água gelada ou compressa com gelo. Perto do fogão não é lugar nem de criança, nem de bicho.

Engoliu um objeto: moedas, bolinhas de borracha, bolinhas de gude, agulhas, linha de costura, etc. Calma, nem tudo está perdido e normalmente isso acaba bem. Por incrível que pareça, a pior coisa que um animal pode engolir destas todas é a linha. Faz um estrago muito pior que a agulha. Se você tiver em casa óleo mineral, pode dar algumas colheradas. Se não tiver, use azeite mesmo, que também lubrifica o trato gastro-intestinal.

Desnecessário dizer que tem que procurar um veterinário o quanto antes.

Atropelamentos: claro que isso pode variar de apenas alguns arranhões a sérias fraturas e hemorragias. O que é importante dizer aqui é que você deve primeiro colocar uma focinheira no animal atropelado. Como já disse antes, a dor leva a morder. Depois, para evitar movimentos bruscos, abra uma coberta no chão, coloque o paciente em cima dela, e com todo o cuidado, duas pessoas devem segurar a coberta pelas pontas, improvisando uma maca. Daí é direto para a clínica. Mesmo traumas aparentemente leves, devem ser examinados e medicados, pois alguns problemas como edemas e hemorragia interna, podem demorar a dar sinais.

Uma dica importante: não se esqueça, quando falamos em Primeiros Socorros, é porque sabemos que existe a necessidade dos Segundos Socorros, e que estes devem ser realizados pelo seu veterinário de confiança, o quanto antes.

Fonte - Wilson Veterinário



Fique ligado,



Claudia Pinelli.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Você quer adotar? Leia isso primeiro!




ANTES DE ADOTAR UM ANIMAL, SE PERGUNTE:

1. Tenho certeza de que não estou adotando por impulso, só porque o animal ainda é filhote, porque quero ter a raça da moda e/ou porque meu filho (a) insistiu pra ganhar um?

2. Estou disposto a educá-lo, mesmo que ele não aprenda da 1ª vez, tendo paciência e
respeitando seus limites, instintos e necessidades?

3. Um cão/gato pode viver aproximadamente 15 anos. Irei cuidar bem dele até seu último dia de vida?

4. Nunca passarei sua guarda para outra pessoa?

5. Sei que o animal late ou mia, corre, pula nas pessoas, morde objetos, faz coco/xixi, solta pêlo e fica doente precisando de cuidados?

6. Posso arcar com os custos extras: ração, vermifugação, vacinação e assistência veterinária?

7. O tamanho e raça do animal é adequado para a minha situação de vida (apart., quintal, crianças, idosos...)?

8. Estou levando um cão de acordo com meu temperamento? Existem cães “rabugentos”, que não gostam de brincar, apesar de adorar um carinho; outros são hiperativos e o dono precisa ter a mesma energia...

9. Costumo dar festas em casa? Se sim, tenho local adequado para deixar o animal, sabendo que ele pode se assustar e se estressar com o movimento, ser maltratado pelos convidados, e que a audição de cães é muito sensível, não suportando som alto, podendo causar distúrbios mentais, dor e lesões no aparelho auditivo?

10. Alguém da minha família apresenta sinais de alergia a pêlos de animais?

11. Se já tenho outro animal em casa, há espaço para prevenir uma briga territorial?

12. Se viajar, terei com quem deixar o animal, já que não posso simplesmente me “desfazer” dele ou deixá-lo sozinho?

13. Na minha casa, se alugada, o proprietário permite animais (se for prédio, o condomínio permite animais)? Caso mude de residência poderei levar o animal, mesmo que resolva ir para um apartamento ou vila?

14. Todos os moradores da casa respeitam animais e aceitaram a adoção sem problemas e restrições?

15. O quintal é cercado, não permitindo que o animal saia para rua? E poderá ficar solto no quintal, nunca preso 24h/dia em corrente ou cubículos?

16. No caso de alguém da família vir a engravidar, o animal continuará sendo tratado da mesma maneira?

17. O animal será imediatamente esterilizado (castrado) para evitar crias indesejadas, o aumento do contingente de animais na cidade, doenças hormonais e DSTs? Caso ainda não seja castrado, tenho infra-estrutura para manter machos e fêmeas separados?

18. Se morar em apartamento, tenho janelas e sacadas teladas? (muito importante!)

19. Não terei que deixá-lo sozinho por longo período durante o dia? Ou pelo menos o animal possuirá companhia durante o dia, seja de um humano ou de outro animal (cão ou gato)?

20. Não estou querendo apenas um cão-de-guarda?

21. Estou disposto a lhe dar banho periodicamente, limpar coco e xixi sempre que necessário, levá-lo para passear, lhe dar comida nos horários certos, tratá-lo quando doente e lhe dispensar atenção e carinho?

22. Se tiver criança em casa, me responsabilizarei a ensiná-la que o animal não é um brinquedo, que sente dor e deve ser respeitado, evitando que ambos se machuquem?

23. Terei paciência no período de adaptação do animal ao novo ambiente, sabendo que ele poderá latir e chorar durante a noite, se mostrar arredio, necessitando atenção especial, principalmente os filhotes?

24. Continuarei o amando e respeitando quando ele estiver velho, com doença crônica e/ou deficiência mental/física?

25. Tenho certeza de que não há nenhum tipo de veneno guardado em casa, e não utilizarei desses produtos? Ex: chumbinho.

26. Eu sou uma pessoa responsável, que gosta de animais, e acima de tudo, os respeita como e protege?



Se você respondeu cada pergunta com sinceridade, tendo em vista que as respostas certas são deduzidas pelo simples senso, PARABÉNS, VOCÊ ESTÁ APTO PARA ADOTAR UM ANJO ESPECIAL!

Fonte: ULA


E caso você seja a pessoa que está com a guarda do animal e vai ser o responsável pela adoção, use esse formulário para o ato:





TERMO DE RESPONSABILIDADE PARA ADOÇÃO DE ANIMAIS

Nome do adotante: _________________________________________________

Identidade: __________________ CPF: _____.____.____-____

Profissão: __________________

Endereço residencial: _________________________________________________
Bairro:_______________ Cidade: ________________ UF: ____
Fone: ________________ Cel.: _____________ Casa ( ) Apto. ( )

Tem/teve outros animais? ( ) sim ( ) não

Se sim, qual? ( )cão ( ) gato ( ) outro



Nome do animal: __________________________ ( )cão ( ) gato

Sexo: ( ) macho ( ) fêmea Cor da pelagem: ____________________

Raça: ___________________ ( ) puro ( ) mestiço Idade: _______

Porte: ( ) mini ( ) pequeno ( ) médio ( ) grande ( ) gigante

Castrado? ( ) sim ( ) não

Vermifugado nos últimos 3 meses? ( ) sim ( ) não ( ) sem informação

Vacinado? ( ) sim Quais vacinas?_____________________________ ( ) não ( ) sem informação

Endereço onde ficará o animal: ( ) o mesmo acima ( ) outro Qual?
________________________________________________

Nome do doador:
________________________________________________

Profissão: ____________________ Fone: ________________


Ao adotar este animal, declaro-me apto para assumir a guarda e a responsabilidade sobre ele, eximindo o doador por atos referentes ao animal a partir desta data.

Declaro ainda estar ciente de todos os cuidados que este animal exige no que se refere à sua guarda e manutenção, além de conhecer todos os riscos inerentes à espécie e raça no convívio com humanos, estando apto a guardá-lo e vigiá-lo, comprometendo-me a proporcionar boas condições de alojamento e alimentação, assim como, espaço físico que possibilite o animal se exercitar.

Responsabilizo-me por preservar a saúde e integridade do animal e a submetê-lo aos cuidados médico-veterinários sempre que necessários. Estou ciente de que não posso transmitir a posse deste animal a outrem, nem vendê-lo, muito menos abandoná-lo.

Comprometo-me, ainda, a permitir o acesso do doador ao local onde se encontra o animal para averiguação de suas condições. Tenho conhecimento de que caso seja constatado por parte do doador situação inadequada para o bem estar do animal, perderei a sua guarda, sem prejuízo das penalidades legais.

Caso o animal já não esteja, tenho ciência de que estou obrigado a entregá-lo, quando ele atingir 6 meses de idade, para ser CASTRADO, contribuindo assim para diminuir a população de animais abandonados em nossa cidade. Comprometo-me a cumprir toda a legislação vigente, municipal, estadual e federal, relativa à posse de animais.

Declarando-me assim, ciente das normas acima, as quais aceito, assino o presente Termo de Responsabilidade, e assumo plenamente os deveres que dele constam, bem como outros relacionados à posse responsável e que não estejam incluídos neste Termo.



__________________________________
Doador


_________________________________
Adotante



Salvador, _____ de ___________________ de ________





Abandonar ou maltratar animais é crime!
Pena: 3 meses a 1 ano de detenção e multa (Lei 9605/98)




Pense nisso!


Claudia Pinelli.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Contato com cães libera hormônio ligado ao amor




Experiências vividas com cachorros liberam a oxitocina, hormônio da paixão e da amizade

Adotar um cão como animal de estimação é semelhante a ter filhos, afirmam cientistas. As experiências emocionais vividas pela companhia dos cachorros são equivalentes às da paternidade, segundo aponta uma pesquisa publicada na última edição da revista Hormones and Behaviour. As informações são do jornal britânico Telegraph.

» Confiança depende de fator químico
» Infidelidade feminina pode ser hormonal
» Hormônio feminino está ligado ao poder

Os pesquisadores descobriram que quando donos de cachorros brincam com os animais, liberam um hormônio ligado à sensação existente no cuidado infantil. Chamado de oxitocina, o hormônio está associado ao sentimento de amor, amizade e paixão, atenuando o estresse e a depressão.

A descoberta foi feita por estudiosos da Universidade de Azuba, no Japão, que recrutaram 55 pessoas. Os voluntários tiveram os níveis de oxitocina da urina analisados 30 minutos após brincarem com seus animais de estimação.

Os cientistas também verificaram a influência do contato visual dos proprietários de cães na liberação do hormônio. Nos testes, metade dos voluntários permaneceu cerca de 20 minutos sem poder olhar diretamente para seus bichos, Em seguida, eles puderam olhar nos olhos dos seus animais.

Após o experimento, os cientistas constataram que o nível de oxitocina dos voluntários havia aumentado em cerca de 20% apenas dois minutos e meio após voltarem a ter contato visual com seus bichinhos.

Com base na avaliação, Takefumi Kikusui - que realizou a pesquisa em parceria com o biólogo Miho Nagasawa -, disse que um aumento no nível do hormônio poderia explicar porque brincar com cães pode melhorar o humor e até mesmo atenuar os sintomas de ansiedade e depressão.

Acredita-se que a oxitocina pode ter desempenhado um papel fundamental na domesticação de cães e lobos, cerca de 15 mil anos atrás. "A razão que me fez essa investigação é porque eu sou um grande amante de cachorros e senti que algo muda no meu corpo quando eu estou em contato com meu cão", afirmou Kikusui.

"Talvez durante o processo evolutivo, seres humanos e cães tenham vivido juntos para compartilhar experiências sociais, tais como o contato visual e gestual. É por isso que cães podem adaptar-se à sociedade humana", complementou o cientista.

Um estudo anterior descobriu que os seres humanos aumentam os níveis de oxitocina ao olharem para fotografias de pessoas queridas com mais freqüência.

Fonte: Redação Terra





Para quem conhece cães e teve a honra de dispor de sua companhia durante toda a vida, o texto acima não diz nenhuma novidade!


Bjo,


Claudia Pinelli.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Animais - Uma lição de amor, amizade, dedicação e fidelidade.

A cadela Dulcinea, uma vira-lata de um ano, ficou durante mais de 15 dias velando o corpo de outro cão que morreu atropelado em uma estrada próximo a Madri, informou uma entidade protetora de animais.



Dulcinea foi resgatada por integrantes da associação "El Refugio". Segundo eles, ela arriscou a própria vida, ficando próxima ao trânsito para proteger seu companheiro.

O grupo foi chamado ao local por pessoas que testemunharam a cena. De acordo com eles, Dulcinea várias vezes recuava, assustada com os carros, mas sempre acabava voltando para perto do companheiro.

Os voluntários contam que demoraram dois dias para conseguir se aproximar da cadela. Ela foi posta para dormir com dardos tranquilizante e foi levada a um centro onde espera por adoção.

Fonte: G1





Os animais sempre nos dando lições de amor, amizade, dedicação e fidelidade.

Aprendamos com eles!


Bjo,


Claudia Pinelli.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Duas faces da mesma moeda do abandono!

Percebam a coincidência desses tristes casos:


Primeiro caso (enviado por Lincoln Teshima)


Essa belezura é a Rottweiller Kissy ( 9 anos)



Sua "dona" estará de mudança no próximo dia 30 de junho. Ela irá morar em apartamento e não levará a cadela.

O protetor Lincoln conversou com a dona e ela se mostrou muito "emocionada", dizendo que a cadela era do marido, que faleceu. Também disse que gostava da cadela e que tinham indicado que ela abandonasse a peluda nos cafundós da zona leste, mas ela não faria isso jamais.

(Isso nunca, né? Aham... )



Disse que não queria ver a Kissy sofrendo, então optou por eutanasiá-la!

(Ah, assim será menos sofrimento, claro!)



Só que o Lincoln, logo depois, teve uma outra informação de que ela não gostava de animais, que a família utilizava os peludos apenas como animais de guarda e que num outro incidente, um rapaz invadiu o quintal para roubar roupas e este teria brincado com um outro cachorro da casa. Por causa disso, e por vingança, desfizeram-se do cachorro!

Na verdade, sua personalidade já não interessa. É fato que ela vai abandonar uma cadela com 9 anos e criada em casa!

A Kissy já é uma cadela idosa, têm 9 anos, mas está perfeitamente bem de saúde.



Não é castrada, mas será ainda esta semana. Pesa cerca de 40 quilos, é muito grande mesmo.

Nunca ficou doente, tem uma pelagem bem cuidada, olhos límpidos, muito ativa e alegre.



Como alguém pode querer fazer eutanásia numa cadela com tanta vida como a Kissy?

E olha que uma cadela idosa linda e saudável como ela é algo raro!

Gostou da Kissy?

Entre em contato com Cícera nos tel.: 11 7473-1152 ou 2018-5442.




Segundo caso (do site da ANDA)


"Rotweiller fica trancado em quartinho sem luz o dia todo porque tutores 'não o querem mais'



Pessoal, por favor, ajudem a divulgar este Rott macho de 3 anos, para adoção.

A tutora não quer mais ficar com ele e o deixa trancado em um quartinho, sem luz, o dia todo.


Foto: s/c

Demorei quase seis meses para conseguir que eles me enviassem fotos.

Está na Zona sul de São Paulo e castrado.

O contato é direto com os atuais tutores (Reneide e Antônio).

Me ajudem a divulgar.

Obrigada,

Sônia"



Contato dos "sem raça":


Reneide e Antonio: 11 5933-6771 (só à noite)
Rua Gilberto freire, 60 A
Parque Residencial Cocaia, São Paulo-SP
Cep: 04849-000


Qualquer semelhança não é mera coincidência.

Tem gente que pensa que animal é objeto, é de pelúcia.

Enjoou, 'não quer mais'? É simples, joga fora, 'eutanasia'.

Vamos ajudar esses peludos a arrumar alguém de raça para adotá-los?


Obrigada,

Claudia Pinelli.

sábado, 12 de junho de 2010

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Imagem do Dia

Olha que coisa mais gutiguti. Tem como não rir ou chorar de alegria???


Bjo,



Claudia Pinelli.

terça-feira, 8 de junho de 2010

A Lua, o Circo e o Futuro...

A Lua, o Circo e o Futuro...

Uma vez, quando ainda mantinha mais ativo meu hobby da fotografia, tirei esta foto acima de um circo que estava em Salvador. Logo depois, postei, juntamente com um poema que fiz inspirado naquela foto, no Flickr de Claudia Pinelli.


O poema:

A Lua, o Circo e o Futuro...


Lá ao longe, vejo uma lua brilhando.
Lá ao longe, vejo um circo iluminado.
Lá ao longe, vejo o futuro chamando.
Lá ao longe, vejo o fim bem determinado.

E o palhaço, onde será que está?
O palhaço que ri e é feliz de noite e chora e é triste de dia...
Deve estar escondido em algum lugar
Pensando se encara mais uma vez sua fantasia.

Claudia Fernandes®




Sempre fui contra circos com animais e já fiz várias campanhas contra esse fato.


Veja alguns dos circos brasileiros que não usam animais em espetáculos:



Circo Mágico de Moscow
Cia Clawnesca
Cara Melada
Cia Pavanelli
Circo da Alegria
Circo Dança
Teatro Intrépida Trup
Circo Girassol
Circo Mínimo
Circo Navegador
Circo Spacial
Circo Teatro Musical Furunfunfum
Circo Trapézio
Circo Vox Circodélico
Cirque Ahbaui
Companhia Teatral e Circence Trupe Sapeka
Parlapatões, Patifes & Paspalhões
Sply Up-Leon
Circo Popular do Brasil
Circo Gran Bartholo


Fonte: Proanima


Sempre bom saber...


Bjo,


Claudia Pinelli.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Cuide de seu animal durante a Copa!



A "COPA", OS ANIMAIS e O MEDO DE FOGOS


O barulho de FOGOS DE ARTIFÍCIO assusta e apavora os animais (que ouvem sons que nossos ouvidos não conseguem captar). Desesperados, tendem a fugir do barulho que os atormenta.

Nessas 'épocas de rojões', a quantidade de anúncios de animais desaparecidos é enorme!

Se estiverem identificados (com plaquinha na coleira) podem ser devolvidos a seus lares quando forem encontrados.

A fuga pode acontecer por muitos motivos: um descuido no portão, trovões, fêmeas no cio (quando o animal não está castrado!) etc. Daí a importância de cães e gatos usarem, mesmo em casa, identificação fixada na coleira.


IDENTIFIQUE OS ANIMAIS SOB SUA GUARDA

Cães e gatos que vivem em casas, com acesso a rua ou não, devem usar coleira sempre.

Se não tiver uma Plaqueta de Identificação com seu telefone gravado nela, cole um pedaço de esparadrapo na coleira e escreva o nome do animal e seu telefone.


PARA NEUTRALIZAR O BARULHO DOS FOGOS

- Feche as janelas e ligue o som num volume alto (com uma música cantada).

- Se não estiver muito frio, ligue o o ventilador (a circulação do ar ajuda a neutralizar o ruído que vem de fora).


RECOMENDAÇÃO


FLORAIS DE BACH para CÃES E GATOS


Comece a dar os Florais antes da Copa e dê dois frascos consecutivos.

1- CHERRY PLUM - comportamento incontrolável, compulsão; convulsões

2- MIMULUS - medos

3- ROCK ROSE - terror, pavor

4- SWEET CHESTNUT - sofrimento físico e mental extremo; dor e sofrimento intensos

5- WHITE CHESTNUT - preocupações, inquietações

6- RESCUE - para resgatar o equilíbrio das emoções em momentos de crise


RECOMENDAÇÕES PARA USO


- Peça esta fórmula numa Farmácia Homeopática ou de Manipulação, SEM NENHUM CONSERVANTE.

- Guarde o frasco na geladeira (para conservar).

- Coloque 10 gotas no pote de água (independente do tamanho do pote).

- Troque a água (e coloque as 10 gotinhas) 2 vezes por dia - pela manhã e à noite.

- Caso o animal não tome água na vasilha, dê 4 gotas diretamente na boca, 4 vezes ao dia.



OBSERVAÇÕES

- Florais atuam nas emoções; não possuem componentes químicos e não têm contra-indicações.

- Outros animais podem tomar da mesma água.

- Dê 2 frascos consecutivos.


* Os florais tratam as emoções e não substituem o tratamento médico; consulte sempre um veterinário.

* A cirurgia de castração é indicada para melhor qualidade de vida de cães e gatos. Veja um vídeo explicativo

* Caso fiquem configurados problemas comportamentais em cães, consulte especialista em comportamento canino.


Deolinda Eleutério

Terapeuta Floral CRT 26715
FLORAIS DE BACH PARA ANIMAIS (gotinhas para equilibrar as emoções).

Atendimento gratuito pelo e-mail deolindaflorais@terra.com.br.

* http://FloraisDeBachParaAnimais.blogspot.com *



Fica a dica!


Bjo,


Claudia Pinelli.

Coisa mais fofa...

Existe, no mundo, algo ou alguém mais fofo do que esse trocinho?


Meet the sloths from Amphibian Avenger on Vimeo.


Este vídeo foi feito no Santuário Aviaros del Caribe, na Costa Rica - único orfanato do mundo para bichos-preguiça. A mãe desses fofos deve ter sido atropelada e eles foram trazidos para o santuário e cuidados pela lendária Judy Arroyo.

Para mais fotos e vídeos desses animais, acessem o blog pinktreefrog.typepad.com , ou sigam @amphib_avenger.

Para mais informações sobre o santuário vá ao slothrescue.org

Música: "Scrapping and Yelling" de Mark Mothersbaugh da trilha sonora do filme Royal Tenenbaums.



Atualmente, o principal predador desses animais é mesmo o homem, que os comercializa em feiras livres e nas margens de rodovias. A ação do homem sobre esses animais tem sido muito facilitada, nos últimos tempos, pela acelerada fragmentação e destruição das matas, o que leva as preguiças a se locomoverem desajeitadamente pela superfície do solo, de uma ilha de mata para outra, em busca de sobrevivência, ficando totalmente expostas à caça e à captura.

A preguiça-de-três-dedos é muito procurada como animal de estimação. Contudo, seu metabolismo lento e adaptado as condições de vida na floresta mostra-se extremamente vulnerável a doenças, causando uma alta mortalidade entre animais em cativeiro.

Graças ao seu temperamento agressivo e a seus caninos afiados, a preguiça-de-dois-dedos não é valorizada como bicho de estimação.

Devido a seu habitat limitado à copa das árvores, e a seus hábitos alimentares especializados, a preguiça é muito afetada pela diminuição das florestas tropicais.

Estima-se que venha a ser espécie ameaçada em futuro próximo.


Consciência já!!!


Bjo,


Claudia Pinelli.

sábado, 5 de junho de 2010

Sábias palavras!



Modelo Animal

Sérgio Greif*

Se um pesquisador propusesse testar um medicamento para idosos utilizando como modelo moças de vinte anos; ou testar os benefícios de determinada droga para minimizar os efeitos da menopausa utilizando como modelo homens, certamente haveria um questionamento quanto à cientificidade de sua metodologia.

Isso porque assume-se que moças não sejam modelos representativos da população de idosos e que rapazes não sejam o melhor modelo para o estudo de problemas pertinentes às mulheres. Se isso é lógico, e estamos tratando de uma mesma espécie, por que motivo aceitamos como científico que se teste drogas para idosos ou para mulheres em animais que sequer pertencem à mesma espécie?

Por que aceitar que a cura para a AIDS esteja no teste de medicamentos em animais que sequer desenvolvem essa doença? E mesmo que o fizessem, como dizer que a doença se comporta nesses animais da mesma forma que em humanos? Mesmo livros de bioterismo reconhecem que o modelo animal não é adequado.

Dados experimentais obtidos de uma espécie não podem ser extrapolados para outras espécies. Se queremos saber de que forma determinada espécie reage a determinado estímulo, a única forma de fazê-lo é observando populações dessa espécie naturalmente recebendo esse estímulo ou induzi-lo em certa população.

Induzir o estímulo esbarra no problema da ética e da cientificidade. Primeira pergunta: será que é certo, será que é meu direito pegar indivíduos e induzir neles estímulos que naturalmente não estavam incidindo sobre eles? Segunda pergunta: será que é científico, se o organismo receber um estímulo induzido, de maneira diferente à forma como ele naturalmente se daria, será ele modelo representativo da condição real?

Ratos não são seres humanos em miniatura. Drogas aplicadas em ratos não nos dão indícios do que acontecerá quando seres humanos consumirem essas mesmas drogas. Há algumas semelhanças no funcionamento dos sistemas de ratos e homens, é claro, somos todos mamíferos, mas essas semelhanças são paralelos. Não se pode ignorar as diferenças, as muitas variáveis que tornam cada espécie única. Essas diferenças, por menores que pareçam, são tão significativas que por vezes produzem resultados antagônicos.

Testes realizados em ratos não servem tampouco para avaliar os efeitos de drogas em camundongos. Isso porque apesar de aparente semelhança, ambas as espécies possuem vias metabólicas bastante diferentes. Diferenças metabólicas não são difíceis de encontrar nem mesmo dentro de uma mesma espécie, admite-se que as drogas presentes no mercado são efetivas apenas para 30-50% da população humana.

Na prática o que acontece é que um rato pode receber uma dose de determinada substância e metabolizá-la de maneira que ela se biotransforme em um composto tóxico. A toxicidade mata o rato, mas no ser humano essa droga poderia ser inócua, quem sabe a resposta para uma doença severa. Por outro lado, o teste em ratos pode demonstrar a segurança de uma droga que no ser humano se demonstre tóxica.

Centenas de drogas testadas e aprovadas em animais foram colocadas no mercado para uso por seres humanos e precisaram ser recolhidas poucos meses após, por haverem sido identificados efeitos adversos à população. Se as pesquisas com animais realmente pudessem prever os efeitos de drogas a seres humanos, esses eventos não teriam ocorrido. Dessa forma, pode-se inferir que a pesquisa que utiliza animais como modelo não só não beneficia seres humanos, como também potencialmente os prejudica.

O modelo de saúde que defendemos é aquele que valoriza a vida humana e animal. Os interesses da indústria farmacêutica e das instituições de pesquisa que lucram com a experimentação animal não nos dizem respeito. Buscamos por soluções reais para problemas reais.

Os maiores progressos em saúde coletiva se deram através de sucessivas mudanças no estilo de vida das populações. Há uma forte co-relação entre nossa saúde e o estilo de vida que levamos. Se nosso estilo de vida é dessa ou daquela forma, isso reflete em nossa saúde. Está claro que as doenças sejam reflexo, em grande parte, de nosso estilo de vida e que a cura deva estar em correções nesses hábitos.


*Sérgio Greif - biólogo em São Paulo/SP, mestre em Alimentos e Nutrição, autor dos livros "A Verdadeira Face da Experimentação Animal: A sua saúde em perigo" e "Alternativas ao Uso de Animais Vivos na Educação: pela ciência responsável".



Fonte: Pensata Animal


Um belo depoimento de quem conhece essa realidade.


Bjo,


Claudia Pinelli.

A Morte Oculta

“Para alcançar o topo da cadeia alimentar requer um processo longo que começa com um fim – o fim da vida de um animal.

Entre um animal vivo e qualquer pedaço de carne, se bem embalados ou exibidas por trás de um balcão de vidro, está o matadouro.

Esta espécie de “linha de desmontagem” está escondido em prédios anônimos, rodeado por cercas altas, geralmente longe do centro da cidade e com um surpreendente silêncio de fora.

Longe da vista, os trabalhadores qualificados acompanham os animais para os últimos momentos de sua vida”.

“No corredor da morte, percorrendo a pé os últimos passos que levam à chamada “armadilha”, os animais parecem estar conscientes do seu destino iminente.

O cheiro da morte está no ar, o medo se espalha entre os animais à espera da sua vez, como eles veem o que está na frente deles desaparecendo por uma porta de ferro.

O grito de terror e o subseqüente barulho dos cascos desesperados são um sinal inextinguível de que, mesmo para os animais irracionais, uma vez que se atravessa essa porta, nenhuma criatura sai viva”.

“Desde que comecei essa série de animais mortos, senti um enorme senso de culpa, e esse prêmio de alguma forma repaga essa dívida”, disse Ausili.

Ao todo, foram enviadas mais de 80 mil fotografias para o concurso, incluindo imagens para nove categorias amadoras.

Os vencedores do prêmio Sony Photography Awards 2010 foram anunciados na quinta-feira, 22, em uma cerimônia no Palais des Festivals em Cannes, na França.

O fotógrafo italiano Tommaso Ausili recebeu o prêmio L’Iris D’Or, concedido à melhor foto de toda a competição, por sua imagem “The Hidden Death” (“A Morte Oculta”, em tradução-livre).

A foto, que concorreu na categoria de questões contemporâneas, mostra animais em um abatedouro.



Fonte: Sony Awards




Triste de ver!



Claudia Pinelli.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Lagarta é 'fofa' demais para afugentar predadores

Uma lagarta típica dos EUA faz um truque para tentar afugentar predadores: graças ao mimetismo, finge ser uma perigosa cobra com grandes olhos!



Mas o tiro sai pela culatra, pois o aspecto fica "fofo" demais para fazer com que os seus predadores mais famintos desistam de devorá-la.

A foto foi feita em Maine.

À lagarta só resta esperar a sorte sorrir e chegar o momento de se tornar uma borboleta.



Fonte: O Globo


Bjo.


Claudia Pinelli.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Cachorros são melhores que gatos, diz estudo

Uma comparação feita em 11 categorias pela revista New Scientist deu vitória aos cães na disputa dos animais de estimação. Mas o resultado foi apertado: 6 a 5



ETERNA DISPUTA

Gato x cachorro: segundo a New Scientist, os cachorros são melhoresA capa da edição deste fim de semana da revista americana New Scientist deve gerar polêmica. A publicação comparou, em 11 categorias, as qualidades dos eternos rivais cachorros e dos gatos e chegou a uma conclusão: os cachorros são melhores que os gatos.

A revista diz que usar a ciência para resolver essa eterna disputa é uma tarefa difícil, mas pondera que os cientistas olham para as espécies como um todo, e não individualmente para cada animal de estimação, como fazem seus donos. Para chegar à conclusão de que os cachorros são melhores, a New Scientist usou estudos semelhantes sobre as duas espécies em 11 categorias e o placar foi apertado: 6 a 5 para os cachorros.

Segundo a revista, os gatos vencem nas categorias cérebro (têm 300 milhões de neurônios, contra 160 milhões), popularidade (há mais gatos do que cachorros no mundo), vocalização (os gatos podem miar de uma forma que desperta o necessidade de prestar cuidados dos humanos), supersentidos (os gatos sentem cheiros, ouvem e enxergam melhor que os cachorros), e meio ambiente (os cachorros prejudicam mais outras espécies e comem mais comida).

Os cachorros ficam com a vitória nos quesitos história compartilhada (foram domesticados muito antes dos gatos), laços (os cachorros são mais companheiros e os gatos, mais independentes), compreensão (os cachorros entendem mais palavras), resolução de problemas (os cachorros se destacam, por exemplo, atuando como guias de deficientes visuais), maleabilidade (é mais fácil treinar os cachorros) e utilidade (os cachorros podem caçar, cuidar de rebanhos, fazer segurança, farejar drogas e bombas, guiar pessoas com deficiência e também reduzem a pressão sanguínea e o colesterol de seus donos).



Fonte: REDAÇÃO ÉPOCA




Bjo,


Claudia Pinelli

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Nota de Esclarecimento:

Não é prática do blog Omnes Angeli realizar doações, sendo facultado, caso extremamente necessário, a criação de vaquinhas para a ajuda de um animal em estado muito grave.

Neste caso, a entrega do dinheiro será claramente divulgado no blog.

A sua proposta principal é a de repassar casos de urgência, notícias, eventos e tudo aquilo que tiver alta relevância para a causa animal.

Os animais citados são de responsabilidade das pessoas informadas no corpo do texto.

Se tiver interesse em adotar ou realizar doações, entre em contato com os responsáveis através dos telefones, sites e endereços constantes no post.

Ah, e se souber do final feliz de alguma história postada aqui, por gentileza, divida essa alegria conosco.

E por fim, os textos enviados para o blog serão, ocasionalmente, corrigidos por mim, para que tenham a clareza necessária a uma compreensão livre de dúvidas, sendo mantido intacto, entretanto, o seu teor original.


Obrigada pela compreensão,


Claudia Pinelli.

Amigo não se compra! Amigo não se abandona!

Amigo não se compra! Amigo não se abandona!

Milla e Aumiguinhos...

Angelis - Libera

Sanctus Dominus

Angeli, domini, psallite
Sancti angeli, cante domino

Angeli, domini, archangeli
Sancti angeli, laudate dominum

Servite dominum de coelis
Laudate eum in excelsis
Cantate eum omnes angeli
Omnes angeli

Sanctus, Sanctus, Sanctus
Sanctus, Sanctus, Sanctus

0 galinhas
0 perus
0 patos
0 porcos
0 bois e vacas
0 ovelhas
0 coelhos
0

Número de animais mortos no mundo pela indústria da carne, leite e ovos, desde que você abriu esta página. Exceto animais marinhos.

Calcule a idade de seu animal!

Calcule a idade de seu animal!