Olá, amigos!

A Rede Omnes Angeli foi criada para ajudar a causa animal, com divulgação clara, incisiva e responsável de artigos com relevância para os amantes de animais.

Essa rede é formada por um conjunto de mídias, como esse blog, Twitter, Facebook, Youtube e dois endereços de e-mail para as futuras interações com vocês.

Nosso objetivo é divulgar campanhas de auxílio a essa causa, como programas públicos (ou com parcerias) de castração e vacinação, artigos sobre saúde e bem-estar dos bichinhos, etc.

Não possuímos abrigo, nem fazemos resgates de animais.

Sua participação será muito bem vinda!

Claudia Pinelli® e Blog Omnes Angeli®

domingo, 29 de agosto de 2010

...And Justice For All...



Resolvi postar essa foto e um texto com toda a minha indignação para tentar fazer justiça.

Quem resgatou este pobre cãozinho da Rua Arcádia foi a Marcia Hermann e não a Andréa Lambert como vem sendo divulgado, inclusive por mim? Esta informação repassada para nós, divulgadores, protetores, donos de blogs etc. era falsa? Só depois de ser resgatado, ele foi levado para a Andréa, que é veterinária e candidata a Deputada Federal?

A Andréa, claro, tem seu mérito, pois está cuidando do cãozinho, mas não pode receber todos os créditos pelo ato, nem os parabéns e congratulações sozinha?

Foi a Márcia que decidiu ir até lá e resgatar o cão, quando ninguém tinha pensado em agir ou tentado resgatá-lo?

Ela merece ser parabenizada por sua atitude?


São muitas dúvidas e gostaria muito de obter as respostas verdadeiras.


Em sendo positivas as respostas a essas perguntas, creio que as duas merecem os parabéns!

A Márcia por mérito pelo resgate em si, porque, ao ver um animal sofrendo na rua, não pensou duas vezes e resgatou o peludo, e a Andréa apenas por atender o animal prontamente, afinal, ela é uma Médica Veterinária, e até por uma questão de ética, não "poderia" se negar a cuidar do cão, apesar de que alguns se negam a fazê-lo se não forem pagos para tal.

Este post é para isso...

Para tentar fazer justiça, pois para mim, é algo para o qual dou muita importância.

Portanto, parabéns a Márcia Hermann pelo resgate e a Andréa Lambert por aceitar tratar do cãozinho que já sofreu tanto!

E para que a justiça seja feita, a busca da verdade é imprescindível.

Por outro lado, espero que este fato não seja usado como plataforma política!

Digo isso, pois fiquei mais confusa e com "uma pulga atrás da orelha", uma vez que a Patricia Biase, a @pbiase do Twitter, postou, nesta rede social, com caráter público, acusações nada agradáveis, supostamente feitas pela Márcia com relação a uma estranha atitude da Veterinária Andréa.


De acordo com palavras da própria @pbiase:


"Quem resgatou o pobre cãozinho de tomás Coelho foi a Marcia Hermann e depois ele foi levado para Andrea Lambert (cont)" (http://bit.ly/9gLG8f)

"Esta Vet que é candidata a Deputada Federal está recebendo todos as felicitações por algo que não fez (cont)" (http://bit.ly/bkbCN5)

"E ainda se recusou a dar notícias do cão para a pessoa que o resgatou e acolheu. Está sendo ajudada por várias doações." (http://bit.ly/dAcKil)

"Devemos se justos e repassar as notícias como elas são verdadeiramente e não se aproveitar de um triste fato para promover candidatos" (http://bit.ly/d3e0dj)


E ela continuou, agora com palavras que seriam de autoria da pessoa que resgatou o cão, a Márcia:


"Palavras de Marcia: liguei p/ a Drª Andrea Lambert p/ saber sobre a saúde do Tomáz, cãozinho resgatado no dia 26, 5ªf. Por TOTAL FALTA DE PROFISSIONALISMO ela, além de se negar a responder sobre a saúde do msm, bateu com o telefone na minha cara. Marcia " (http://bit.ly/cksnFl) e (http://bit.ly/9bUyo8)


Fonte: Márcia que é amiga pessoal da Patricia Biase, segundo ela própria. (http://bit.ly/c7RczL)


Analisemos:

Eu, pessoalmente, e com o meu blog, Omnes Angeli, fizemos a divulgação desse cãozinho abandonado e doente largado nas ruas, sendo enxotado pelos transeuntes que passavam e tinham nojinho da sua sarna em estado avançado. E divulguei muito, pois fiquei sensibilizada com a situação do cão (assim como de outro animal com caso extremamente parecido e que ainda não foi, pelo menos para mim, esclarecido de forma aceitável, como e por quem foi feito seu resgate.)

Depois, recebi a informação de que este cão já tinha sido resgatado por uma Veterinária chamada Andréa. Informação repassada imediatamente para alívio das pessoas que estavam extremamente preocupadas com o caso.

E logo a seguir, leio essas outras informações escritas de forma pública e sem nenhum pedido de segredo, pela Patricia, no Twitter

Como não ficar confusa? Como não me sentir feita de boba? Um diz uma coisa, outro vem e diz que o que tinha sido dito (inclusive por mim) era mentira?

É inconcebível que fatos como esses continuem acontecendo e enfraquecendo um movimento feito, em sua maior parte, por pessoas idôneas, honestas, sem interesses excusos e com a única intenção de ajudar apenas os animais, sem se locupletarem, seja lá de que maneira for, usando uma causa tão nobre!

Trabalho para os animais, mas sempre mantenho uma troca saudável com pessoas bacanas, só que não posso ser conivente com pessoas cujo interesse na causa animal é diametralmente oposto ao meu!

Portanto, gostaria muito de saber quem tem razão, quem está falando a verdade, e quem está exagerando ou mesmo mentindo sobre esse assunto. Porque não perco minhas noites trabalhando pelos animais, fazendo divulgação, criando posts, escrevendo textos coerentes, corrigindo os erros inacreditáveis de Português da maioria dos apelos que são enviados para mim, editando fotos, etc., deixando muitas vezes de sair para me divertir, dançar, ver meus amigos, para ser enganada por quem quer que seja e que se arvora ser uma "protetora" animal. Não admito que pessoas assim acabem maculando todo esse meu trabalho!

E tenho dito!



Obrigada,




Claudia Pinelli.

Célula Mãe realiza evento em prol da causa animal em Salvador.



Véspera de aniversário, dia do aniversário e acabei esquecendo de falar que recebi esse convite para um evento que ocorreu domingo, 29 de agosto de 2009, no Parque de Pituaçu, em Salvador, promovido por uma ONG muito ativa e louvável daqui, chamada Célula Mãe.

Aparecemos por lá, eu, o maridão, Milla e a minha caçula, a Sophia.

O evento foi muito bacana. O lugar é super agradável, à beira da Lagoa de Pituaçu.

A Célula Mãe promoveu, entre outras coisas, uma feira de adoção, que aliás acontece todo domingo neste mesmo lugar. Conversei com as meninas, principalmente com a Rita, a responsável pelo evento, sobre as doações, sobre o Omnes Angeli e a nossa futura parceria, o que me deixou muito feliz.

Mas o que me deixou feliz de verdade, foi o fato de ter ocorrido muitas adoções de cães e algumas de gatos na feirinha e ver como aquelas pessoas trabalham de forma abnegada em prol dos peludinhos.

Porém, dizem que "alegria de pobre dura pouco", não é?

Logo que cheguei, fiquei muito preocupada com um cãozinho bem pequeno, pretinho, não muito jovem, mestiço de Pinscher com Daschund, bonitinho, mas latindo muito e tremendo de nervoso. Uma tristeza. Perguntei por que ele estava assim, e me disseram que uma pessoa tinha acabado de chegar lá e deixado o pobrezinho, alegando que a "verdadeira" dona não o queria mais e iria deixá-lo na rua! (Fato muito conhecido por nós que lidamos com esses casos diariamente).

O cão me deixou tão triste...

Era perceptível que tinha sido muito maltratado, pois ninguém podia chegar perto que ele rosnava, latia desesperadamente, tremendo... No final, quando uma protetora foi retirá-lo do cercadinho para colocá-lo na casinha de transporte, ele de tão nervoso, e certamente, por não saber o que iria acontecer (de novo) com ele, mordeu a mão e o braço dela. Abaixei-me para tentar fazer um carinho nele, mas não parava de latir e de repente, ficava estático olhando para um lado da casinha. Puro estresse! Que pena!

Outro fato triste foi uma outra pessoa ter abandonado ali, antes delas chegarem, bem cedo, uma caixa com 12 gatinhos! As protetoras da ONG desconfiam que pode ter sido uma também protetora, que sabia da feira e que, de alguma forma, eles teriam para onde ir, caso não fossem adotados.
Já esses gatinhos não tiveram tanta sorte, e dos doze apenas quatro foram adotados.

Acabou o evento, mas o cãozinho mestiço não me saiu da cabeça...

Pensava em que fim ele poderia ter.

Se não conseguir alguém com a paciência necessária para conseguir, com calma e amor, readaptá-lo a viver com pessoas, e a ter a segurança de que não vai ser mais maltratado...

Se continuar a se comportar daquele jeito, é bem provável que muitos o enquadrem num dos casos permissivos da eutanásia, ou seja, que aleguem que aquele cãozinho judiado por um ser humano anteriormente, seja considerado um cão bravo e sem esperança de reabilitação (caso que não acredito seja o dele).

Não dormi pensando naquele infeliz animal.

Mas como não podia trazê-lo para casa, estou analisando alguma forma de ajudá-lo mais efetivamente. Aliás, se você, que está lendo esse texto agora, tiver alguma ideia, ou se já lidou com algum cão de comportamento semelhante, mande um email, comente, ajude-me de alguma forma, pois aquele cãozinho precisa dessa ajuda.

Por fim, parabenizo a Célula Mãe e seus protetores, membros e voluntários por mais essa iniciativa louvável em busca de mais conscientização das pessoas com relação aos animais.


Muito obrigada,



Claudia Pinelli.




Quer conhecer mais sobvre o trabalho da Célula Mãe? Clique aqui.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Eu fui às touradas de Barcelona! - Ferreira Gullar





O último golpe atingiu-lhe o coração. Estrebucha e morre.
Indignado, resmungo: “Coisa bárbara!”






O parlamento da Catalunha aprovou lei proibindo as touradas na região, mais precisamente em La Monumental, a praça de touros de Barcelona, onde, pela primeira e única vez, assisti a uma tourada.

Até então, de touradas, só sabia o que vi no filme “Sangue e Areia” (1941), com Tyrone Power, que assistira, ainda menino, com meu pai, no cinema Olímpia, em São Luís. Nele, as touradas eram apenas parte de uma história romântica. Mais tarde conheceria algumas gravuras de Picasso que, em vez do romantismo do filme, mostrava o que há de brutal nas corridas de touros.
Assim que, tourada de verdade, só vi mesmo em Barcelona, em companhia do poeta João Cabral, que era então cônsul do Brasil na Espanha. Convidou-me para almoçar naquele domingo e, em seguida, irmos assistir a uma tourada. Aceitei o convite com muito interesse, na expectativa de viver uma experiência única, já que, por iniciativa própria, eu jamais entraria em uma “plaza de toros”.

Fomos. Mal me sentei na arquibancada, fui tomado por uma espécie de euforia, diante daquela arena ainda vazia onde haveria de desenrolar-se um espetáculo de vida e morte. Enquanto isso, João Cabral me informava acerca das touradas, contando-me que o touro era mantido por dois dias num cubículo escuro sob as arquibancadas, donde seria trazido, ao começar a tourada, para a arena.

Foi então que homens montados a cavalo entraram, sob o soar de clarins, um “frisson” percorreu aquela massa de espectadores e eis que de um dos portões sai um touro negro aos galopes.
Invade a arena mas logo se detém, como que surpreso diante daquela situação inusitada. Não estava entendendo nada: “que faço aqui, diante de tanta gente?” -terá ele se perguntado, sem imaginar que, de fato, havia sido posto ali para morrer.

Como hipnotizado, eu o seguia com os olhos, temendo pelo que haveria de ocorrer. Os homens montados nos cavalos correm agora em direção ao touro que se mantém parado, indeciso, perplexo talvez.

Tenta afastar-se mas é cercado e decide reagir: acomete sobre um dos cavaleiros, que o atinge com uma bandarilha, no dorso, à altura do cangote. Ele, enfurecido, volta-se contra o agressor mas é atingido por outra bandarilha, lançada pelo outro cavaleiro. O sangue desce-lhe das feridas. Assisto àquilo, chocado, com pena do animal.

Não me lembro se, àquela altura, o toureiro já estava presente na arena. De qualquer modo, vejo-o agora aproximar-se do touro e desafiá-lo. Provoca-o, agitando a capa vermelha, onde traz escondida uma espada. O animal, sangrando muito, encara-o e parece hesitar, se avança sobre ele ou não. Talvez não saiba direito quem o feriu, bem pode ter sido aquele sujeito que parece bailar a sua frente.

Está furioso, atordoado e certamente não entende por que o agridem daquela maneira, se nenhum mal lhes fez. Detém-se e o encara. Menos cauteloso, agora, ataca-o, tentando atingi-lo com os chifres, mas vê que se enganou, investiu contra a capa com que se protege e o engana. “Hijo de puta!” Deveria balbuciar, se falasse espanhol e touro não fosse, mas gente. Igual àquela gente que se diverte com seu desespero.

Recua estrategicamente e tenta atingir o toureiro, numa investida fulminante e vã: sente uma dor funda, a vista se lhe turva, perde forças e cai sobre as patas dianteiras, soltando golfadas de sangue. O último golpe de espada atingiu-lhe o coração. Estrebucha, estica as pernas e morre, diante da multidão que aplaude entusiasticamente o toureiro. Este, sorridente, saca de uma faca, aproxima-se do touro morto, corta-lhe uma das orelhas e a exibe, vitorioso, para o público, que então delira. Indignado, resmungo: “Coisa bárbara!”.

João Cabral, surpreso com minha reação, defende a tourada, que seria a vitória da inteligência sobre a força bruta. “Nada disso”, respondo. “É a vitória da covardia e do sadismo sobre um animal indefeso”.






A esta altura, estamos de novo em sua sala. João me acha demasiado ingênuo para compreender a significação das touradas. Sirvo-me de vinho, e ele, usando a toalha da mesa como uma capa de toureiro, movimenta-se na sala, a desafiar a fúria de um touro imaginário. Era o poeta acostumado a tourear palavras.




Ferreira Gullar




Fonte: ARQUIVO DE ARTIGOS ETC.


Obrigada,


Claudia Pinelli.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Gatinho implora por comidinha...

Veja só como ele junta as mãozinhas e pede:




Muito fofo...



Bjo,


Claudia Pinelli.

Dicas para banho no seu bichinho em casa


Nem sempre temos dinheiro para levar o pet semanalmente ao pet shop para o banho. Isso pode ser resolvido com banhos em casa, mas para isso é preciso estar atento há alguns cuidados, para não tornar a experiência traumatizante.

•Uitilize sabão ou shampoo neutro.

•Sabão de coco é agressivo à pele dos animais.

•Para proteger a região dos ouvidos, use bolinhas de algodão.

•Use água morna. Se a água estiver quente demais, o animal pode ter estresse calórico, caracterizado por hemorragia pulmonar.

•Utilize uma escova própria para auxiliar na secagem (secador de cabelo a 30 cm dos pelos)

•Use cotonetes para limpar as orelhas, mas sem introdui-los muito fundo.

Lembre-se:

•Trate seu cão com carinho na hora do banho e faça com que o hábito não se torne um castigo, caso contrário a aversão à água tende a aumentar.

•Se mesmo assim seu cão não gostar muito de banhos, aumente o intervalo de tempo entre eles.

•Caso não tenha experiência em cortar as unhas do seu cão, deixe isso para o veterinário.

Cortes em excesso podem causar hemorragias.

•O mesmo conselho vale para a tosa higiênica, deixe isso para quando levá-lo ao banho no pet shop.

Importante:

O banho só é aconselhado após o quarto mês de vida, e quando todas as vacinas estiverem dadas. Antes desse período você pode higienizar seu animal com uma toalha úmida em água morna, e depois usando o secador.



Fonte: MeuPetWeb




Vamos seguir as dicas para dar um banho bem gostoso e saudável nos nossos cãezinhos...



Obrigada,


Claudia Pinelli.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

No abrigo ou na internet, saiba como adotar um bicho

Adoção de animais abandonados vira moda e ganha status de causa – confira como e onde escolher seu amigo carente


por Débora Yuri



Adotar bichos abandonados está na moda. Os pets estão saindo das ruas de São Paulo e ganhando casa própria e cuidados por meio de feiras, corners em megalojas, abrigos de ONGs e, quem diria, da internet. Não há dados oficiais sobre a população nacional de cães e gatos de rua. A Mars Brasil, dona da marca Pedigree, que lançou o programa Adotar É Tudo de Bom, no final de 2008, estima em 20 milhões o número de cachorros carentes no país – quase um bicho para cada dez brasileiros. ONGs participantes do projeto registraram crescimento na procura por bichos sem lar acima de 400%.

“O aumento da adoção vem do esforço das ONGs, de campanhas de conscientização do governo e da mudança de comportamento da população”, diz a advogada Vanice Orlandi, presidente da UIPA (União Internacional Protetora dos Animais), fundada em 1895 e que doa de 600 a mil cães por ano. “Hoje, adoção é prática popular e divulgada, por isso mesmo endurecemos nossos critérios.”

A instituição exige do adotante comprovante de renda e endereço e reforça que o animal vai viver de 12 a 15 anos, pesando no orçamento familiar. “Sabemos que muitos adotantes mentem, falam que têm espaço para um são-bernardo em casa. Quando vamos ver o local, é só uma área de serviço minúscula. Tentamos evitar a ação por impulso.”

Se você já passou da “fase do impulso” e quer levar para casa um bicho abandonado, melhor evitar as feiras de adoção. Cada vez mais comuns na cidade, elas são condenadas por veterinários e defensores de animais, pois expõem os bichos a calor, chuva, sujeira, excessivo contato com gente e estresse. A exceção são as ONGs que atuam longe de seus abrigos e expõem os animais em um local fechado. É o caso da Vira-Lata É 10, que tem espaço fixo e interno na loja Cobasi Villa-Lobos.

A internet assumiu papel decisivo para a recente onda de adoções em São Paulo. Mas também tem suas recomendações de conduta, como visitar abrigos pessoalmente antes de eleger um bicho. A rede cristalizou ainda o perfil do novo adotante: jovens da classe alta, para quem acolher um cão ou um gato de rua ganhou status de causa.

Instituição pede até comprovante de renda para proteger o bicho

“A Web 2.0 impulsionou nosso sucesso, porque permite interação real, e isso mobiliza as pessoas”, diz a veterinária Cynthia Schoenardie, gerente do Adotar É Tudo de Bom. “Há um grande engajamento de internautas jovens, na faixa dos 20 a 30 anos, com alta escolaridade. O adotante agora passa a imagem de descolado.”

Replicado da campanha mundial da Pedigree, o programa gerou a adoção de quase 10 mil cães em 18 meses, com 32 ONGs apoiadas, e seu website bateu 120 milhões de page views. No Brasil, o projeto nasceu na própria web, em 2008, com Yahoo!, Google e MSN se unindo pela causa. Cada portal escolheu um cão abandonado “real” com a missão de lhe encontrar um lar, e eles foram para o YouTube, Orkut, Flickr e Messenger.

Em 2009, os cães órfãos chegaram ao Facebook e ao Twitter e foi lançada uma campanha solidária no YouTube: cada visualização de vídeo viraria um prato de comida para os bichos abandonados. “O Twitter foi um dos responsáveis pela viralização da campanha: no pico de acessos no primeiro dia, eram postados dois tweets por segundo sobre as ações. Os blogueiros também foram. Atingimos nossa meta, de 100 mil acessos, em seis dias”, lembra Cynthia.

A UIPA também aderiu às redes sociais. Dez perfis de seus bichos foram colocados no Facebook, e o usuário podia ajudá-los adotando-os, fazendo uma doação a partir de R$ 20 ou os sugerindo como amigos para sua rede. Em três dias, eles fizeram mais de mil amigos.

Foi por causa da internet que o projeto caseiro Adote um Gatinho virou ONG, segundo a jornalista Susan Yamamoto, uma das sócias. “Em 2002, eu me interessei por proteção animal participando de grupos de discussão no Yahoo!. Criei um site para divulgar os gatinhos que levava para casa, e eles começaram a ser adotados”, conta.

De lá para cá, 3.000 gatos acharam um lar. O site hoje registra 150 mil page views mensais, e a equipe tem 44 voluntários, “todos jovens”, um deles responsável apenas por alimentar Twitter, Facebook e Orkut. “A internet continua sendo nossa principal ferramenta, pois não fazemos feiras e só doamos para quem prova que tem condições financeiras”, diz Susan.


O bê-á-bá da adoção



» A internet é ótima para busca e triagem iniciais, mas é bom visitar o abrigo e interagir com o animal antes de levá-lo para casa

» Desconfie de ONGs e abrigos que não fazem entrevista com o adotante ou que passam informações vagas sobre saúde e personalidade dos animais

» Observe se o bicho não tem secreção nos olhos e no nariz, se é ativo e se sua pelagem é uniforme

» Investigue o comportamento do bicho. Ele é agressivo? Violento? Observe sua interação com as pessoas e os outros animais do abrigo

» Bichos adultos também aprendem e se adaptam a um novo lar – e geralmente são mais tranquilos e sossegados

» É normal que as instituições cobrem alguma taxa para manter suas atividades. Depois da adoção, leve o pet ao veterinário para colocar em dia vacinação e vermifugação, além de exame de fezes e hemograma

» Se já tem animais em casa, não misture os novos amigos logo de cara. Recomenda-se uma “quarentena” de ao menos uma semana

» Um bicho adotado não requer cuidados diferentes. É lenda a crença de que vira-latas são mais resistentes que os puros-sangues mauricinhos.


Fonte: Revista Época SP




Obrigada,


Claudia Pinelli.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Essa é para os babacas de plantão...

Esse vídeo é sempre, para mim, um momento de pranto. Sim, pranto, porque toda vez que vejo, choro copiosamente, principalmente no final, quando o cachorrinho vê, desesperado, seu amigo entrar num carro e ir embora para sempre, depois de ter ficado o tempo todo do lado de seu corpo frio e sem vida.

Tristeza de cortar o coração...

Mas esse vídeo, apesar de dolorosamente triste pois mostra um rapaz, na flor da idade, que foi assassinado, inquestionavelmente por outro humano, serve para mostrar para pessoas que sempre, ao ver um defensor dos animais preocupado em fazer um resgate ou em conseguir uma adoção para um animal indefeso, vem com aquela velha história:

"Com tantas crianças abandonadas, viciadas em crack pela rua, velhinhos doentes, por que não luta para que estas sejam adotadas ao invés dos animais?"

Vou tentar explicar item por item, a resposta que geralmente dou nessas horas:

Começo sempre com um:

"Meu caro/Minha cara, (creio que precisamos sempre ser educados, pois a falta de educação e de sensibilidade deve ser um problema dele/a e não meu)



1º - Eu escolhi dentre várias de igual importância, uma causa para me dedicar e luto por ela, da melhor maneira que eu posso. E você, luta pelo quê mesmo?



2º - Tanto a criança viciada nas ruas, quanto o animal sem casa, ou o idoso despejado num asilo, todos eles foram abandonados por um "Ser Humano". E eu, como representante dessa raça, me sinto na obrigação de fazer algo para compensar. A propósito, o que você faz mesmo? E para quem?

video

Amizade além da vida e da morte...

(para assistir ao vídeo, aperte o pause do player na sidebar do blog.)

Hoje, vou acrescentar mais dois itens a essa explicação:



3º - Por favor, assista a esse vídeo e me responda: algum amigo humano seu faria o que esse cão fez pelo amigo dele?


Se nada disso adiantar, e a pessoa continuar falando merda e insistindo nessa hipocrisia deslavada, surge uma última alternativa de se livrar desse mala, dessa vez dando um tempo na minha tão valorizada educação e etiqueta:


4º - Depois de tentar achar cabelo em ovo, só me resta te dizer uma coisa: Vá tomar no cu, seu porra!!




É isso!



Foi só para desabafar algo que estava preso na minha garganta.


Obrigada,



Claudia Pinelli.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Tristeza pouca é bobagem...

Este caso foi um pedido feito pelo protetor Sr. Rafael e enviado para mim pelo Lincoln Teshima.



Essas duas cachorrinhas, por uma triste (ou não?) coincidência, já que moram na mesma casa, passam por um problema terrível de doença, os tão temidos tumores, e estão sempre juntas.



Uma das cachorrinhas apresenta um grande tumor mamário que já se arrasta pelo chão, como pode ser visto nas fotos.



Uma protetora da região, a Irene, se comprometeu a procurar ajuda para conseguir a cirurgia desta cadelinha.



Os custos desta cirurgia juntamente com as diárias totalizarão R$ 570, 00.

A outra cadelinha está com um grande tumor no pescoço, que já se rompeu e sangra diariamente.



Ainda não existem os recursos necessários para levar essa peludinha para fazer exames e uma consequente cirurgia.



A família que é proprietária destas duas meninas não possui condições financeiras para arcar com todos esses gastos.

São dois irmãos: o senhor levou vários tiros depois de sair do banco e ficou praticamente impossibilitado de trabalhar, era pedreiro; e a irmã acabou de perder, há 4 meses, o marido, que sustentava a casa.

A vida tem dessas coisas, amigos...

Eles jamais pensaram em abandonar as cadelinhas nas ruas devido a essas fatalidades. Só estão pedindo ajuda para a cirurgia destas duas meninas porque não podem bancar esses procedimentos do próprio bolso.

A cirurgia da cadelinha com turmor mamário será realizada na Clínica Floquinho, com a Dr.ª Marisa Tanaka e a Dr.ª Mônica Goulart.


Endereço da Clínica: Av. Padre Atílio Garret, nº 24, Sapopemba.

Telefone: 11 2216-2350.

Contato da Sra. Irene (que está cuidando da cirurgia de uma das cadelinhas): 11 3433-5124.

Contato do Sr. Rafael (que pediu ajuda para as cadelinhas e estará recebendo os depósitos): 11 3445-5459/ 7235-0664.


Depósitos em nome de:

Rafael Teixeira Aguiar

Banco Bradesco (Poupcard)

Agência: 1911-9

Conta: 1011551-5



P.S. Por gentileza, ao depositar qualquer valor na conta do Sr. Rafael, sinalize o depósito por e-mail.

Email do Lincoln: lincolnstraydog10@gmail.com

Ou pelo email do blog (comprometo-me a repassar ao Lincoln): omnesangeli@gmail.com



Amigos, como puderam ver no corpo desse post, essas cadelinhas estão passando por um sofrimento descomunal que só pode ser minimizado com tratamento e cuidados veterinários.

Ao contrário do que comumente vemos na militância, em que tutores abandonam seus animais quando ficam doentes ou envelhecem, esses aqui amam seus peludos, querem ficar com eles, dando o amor que eles merecem e só cometeram um crime: o de não ter dinheiro para arcar sozinhos com tanta despesa!

Vamos ajudar para que essas meninas sofredoras sofram um pouco menos...

Sei que todos vocês conhecem o sábio provérbio popular que diz que o olhar é o espelho da alma.

Vejam essa foto e me respondam: preciso pedir mais alguma coisa?





Atualização:


Notícia boa!!


A peluda com o tumor mamário já fez a cirurgia, graças a colaboração das pessoas, e agora está linda.


Agora é só retirar os pontos e ela terá uma vida normal. Olha a cicatriz:


Infelizmente o montante não foi suficiente para fazer a cirurgia da outra cadelinha, então estamos pedindo ajuda para podermos salvar esta outra peluda com um tumor no pescoço.

Conto com sua ajuda!



Muito obrigada,



Claudia Pinelli.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Filhote de lontra recebe aulas de natação...

Você sabia que os filhotinhos de lontra recebem aulas de natação ministradas pela própria mamãe lontra?

Veja:



Não é uma graça?



Bjo,


Claudia Pinelli.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Nota de Esclarecimento:

Não é prática do blog Omnes Angeli realizar doações, sendo facultado, caso extremamente necessário, a criação de vaquinhas para a ajuda de um animal em estado muito grave.

Neste caso, a entrega do dinheiro será claramente divulgado no blog.

A sua proposta principal é a de repassar casos de urgência, notícias, eventos e tudo aquilo que tiver alta relevância para a causa animal.

Os animais citados são de responsabilidade das pessoas informadas no corpo do texto.

Se tiver interesse em adotar ou realizar doações, entre em contato com os responsáveis através dos telefones, sites e endereços constantes no post.

Ah, e se souber do final feliz de alguma história postada aqui, por gentileza, divida essa alegria conosco.

E por fim, os textos enviados para o blog serão, ocasionalmente, corrigidos por mim, para que tenham a clareza necessária a uma compreensão livre de dúvidas, sendo mantido intacto, entretanto, o seu teor original.


Obrigada pela compreensão,


Claudia Pinelli.

Amigo não se compra! Amigo não se abandona!

Amigo não se compra! Amigo não se abandona!

Milla e Aumiguinhos...

Angelis - Libera

Sanctus Dominus

Angeli, domini, psallite
Sancti angeli, cante domino

Angeli, domini, archangeli
Sancti angeli, laudate dominum

Servite dominum de coelis
Laudate eum in excelsis
Cantate eum omnes angeli
Omnes angeli

Sanctus, Sanctus, Sanctus
Sanctus, Sanctus, Sanctus

0 galinhas
0 perus
0 patos
0 porcos
0 bois e vacas
0 ovelhas
0 coelhos
0

Número de animais mortos no mundo pela indústria da carne, leite e ovos, desde que você abriu esta página. Exceto animais marinhos.

Calcule a idade de seu animal!

Calcule a idade de seu animal!